Conecte-se conosco

Turismo e Inovação

A inovação pode ser simples

Conheça as iniciativas do Ministério do Turismo e da Embratur que contribuíram para a retomada do turismo no Brasil, trazendo otimismo ao setor.

Publicado

em

ABAV Expo 2023 (Foto: Acervo Uai Turismo)

Os últimos dias foram bastante animados para o turismo. Comemorou-se o Dia Mundial Do Turismo em 27 de setembro, a Abav Expo celebrou sua 50º edição na cidade do Rio de Janeiro, dados da Embratur apontam que o mês de agosto foi o melhor dos últimos 28 anos em número de turistas estrangeiros no país, e, para a alegria de Belo Horizonte e Minas Gerais, podemos celebrar a atração de mais dois vôos internacionais para a cidade criativa da gastronomia: Santiago e Buenos Aires. O último, com direito a lançamento especial, no stand da Embratur, diretamente da FIT Buenos Aires. 

Boas novas devem sempre ser celebradas, especialmente para um setor que começa a respirar após, o que podemos chamar, seu pior momento. Celebrar a retomada do turismo, a recuperação e criação de novas oportunidades de emprego e renda; a realização de feiras e encontros como Abav Expo, FIT, em breve BTM e Festuris, para completar o calendário de feiras nacionais; as parcerias e acordos de cooperação e claro, os anúncios de projetos e iniciativas que enchem os olhos.

Iniciativas que fizeram a diferença

Nesta linha, gostaria de destacar 3 iniciativas recentemente apresentadas. Uma do Ministério do Turismo e duas da Embratur, que contribuem, e muito, para este sentimento de recuperação e de otimismo que vem contaminando todo o setor. 

LER TAMBÉM: Minas Gerais: gastronomia mineira recebe prêmio internacional na ABAV Expo

Estabelecer políticas públicas para o desenvolvimento do turismo é atribuição do Ministério do Turismo. Políticas estas que que se desdobram em programas, projetos, iniciativas diversas que contribuam para o alcance dos resultados para o turismo brasileiro. 

Programa de crédito “Conheça o Brasil: Realiza”

O Brasil é um país com quase 200 milhões de habitantes e são os próprios brasileiros os principais turistas dentro do próprio país. Logo, realizar uma ação de fomento ao turismo doméstico, de forma a incentivar e facilitar o acesso as viagens internas é bastante pertinente. Isso porque, em consequência de tal ação, serviços serão demandados, produtos serão adquiridos, haverá assim circulação de capital, demanda por mão de obra e ativação de toda cadeia produtiva do turismo. É este o objetivo do programa de crédito “Conheça o Brasil: Realiza” lançado na abertura da Abav, realizado entre Ministério do Turismo e Banco do Brasil, mais informações você encontra aqui!

Guia Brasileiro de Ação Climática para Empresas e Destinos Turísticos

A segunda iniciativa que destaco foi o lançamento do “Guia Brasileiro de Ação Climática para Empresas e Destinos Turísticos” pela Embratur. Soa um pouco óbvio dizer que a prática do turismo deve ser sustentável. Particularmente gosto de  pensar que deve ser responsável, considerando o tripé sustentabilidade, base comunitária e segurança.Mas, ainda assim, o óbvio precisa ser dito, visto que iniciativas como esta ainda são tímidas no país. Destaco aqui o pioneirismo e qualidade do trabalho que vem sendo realizado em Mato Grosso do Sul e Bonito, primeiro destino Carbono Neutro certificado pela Green Iniciative, iniciativa reconhecida pela ONU.

Caê – Cadastro Automático de Experiências

A terceira, e a que mais brilha meus olhos, é o “Caê – Cadastro Automático de Experiências”. O nome já seduz a gente né? Simples, sonoro, convidativo. Caê é uma iniciativa que busca cadastrar as mais diversas experiências turísticas disponíveis no Brasil para que possam, a depender da maturidade e perfil, compor o leque de oferta turística brasileira para o mercado internacional.

LER TAMBÉM: Turismo criativo – modismo ou tendência?

Exatamente por se tratar de experiências é que me brilha os olhos, pois assim conseguimos reforçar as possibilidades que o turismo tem de envolver diversos atores locais, para além dos óbvios. Assim, torna possível promover a inovação nos produtos turísticos brasileiros, considerando aí os setores criativos e o turismo de base comunitária, por exemplo. Já que as tendências de consumo e comportamento do turista mostram, com destaque, o desejo pelas oportunidades de vivenciar experiências nos destinos turísticos, nada mais oportuno do que congregar toda esta riqueza em um único local, facilitando o conhecimento, entendimento, organização, e claro, apresentação ao mercado e promoção turística. 

Nem sempre a inovação está atrelada à tecnologia

Quando observamos as iniciativas indicadas, constatamos que não são ações de inovação com um grande peso de tecnologia, ou de criação de ferramentas de alto custo. Estamos falando de inovações que demandaram principalmente troca de experiências e aprendizado compartilhado, análise técnica do setor e com certeza, muita conversa entre os profissionais e articulação junto as instituições envolvidas, que demandarão ainda mais conversa e articulação com os demais atores do turismo para que estas iniciativas sejam de fato colocadas em prática. Aproveitar um momento de encontro presencial, como foi a Abav Expo, para realizar tais anúncios, é uma demonstração de que a troca e o encontro são ainda a base para o desenvolvimento da atividade turística e que, de nada adianta ter tantas oportunidades se não pudermos, ou soubermos, nos aproveitar disso. 

A proposta de destacar a simplicidade das iniciativas não é de forma alguma uma tentativa de torná-las simplórias e muito menos depreciá-las, mas sim, destacar que para alcançar os resultados que buscamos, nem sempre será necessário algo mirabolante ou disruptivo, mas sim, um olhar realmente cuidadoso, técnico e apoiado em inteligência de dados, que aliás temos novidades nesta área também, mas fica para um próximo texto.

LEIA TAMBÉM: A criatividade a serviço do turismo

Ao fazermos o “para casa”, ao invés de ficarmos almejando algo inalcançável ou inimaginável, alcançamos mais e melhores resultados. É mais factível, tangível e contribui para a geração de pequenas mudanças constantes. Assim, entendo que a mudança que buscamos, daqui a alguns anos, será constatada. Afinal, entendo que cada um de nós, está fazendo, ou pelo menos tentando, fazer sua parte nessa história. 

Finalizo este texto com um agradecimento especial à Magda Nasser, presidente da Abav Nacional, responsável por entregar uma excelente 50º edição da Abav Expo e que está encerrando um ciclo de sucesso frente a entidade. Mulheres como você são inspiração, exemplo e muito necessárias para um turismo realmente responsável no Brasil! Obrigada!

VEJA TAMBÉM: Milena Pedrosa e Mauro Tramonte: “poderes executivo e legislativo precisam caminhar juntos pelo turismo!”

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.