Conecte-se conosco

Cultura e Turismo

Ano Novo é vida nova. Será?

Publicado

em

Foto: Freepik

E não é que vivemos mais uma virada! Mais um período do calendário se fechou e abrimos um novo ciclo de dezembro para janeiro, na maioria dos casos, cheios de símbolos e superstições que acreditamos que sinalizam o Ano Novo.

Em todo o mundo, muitas tradições são vividas e mantidas ao longo dos tempos, mas é curioso o fato de apesar das roupas brancas na noite da virada, das 7 ondas puladas, pra quem esteve no litoral, as sementes de romã consumidas ou um bom prato de lentilhas e ainda o cuidado com as cores usadas de forma mais íntima, mesmo com todos os significados, nem sempre garantimos a paz, a prosperidade, a sorte no amor e a abundância, que tanto almejamos.

Algumas tradições conhecidas e outras nem tanto

Em muitos lugares a véspera da noite que abre o novo ano, é batizada de “Réveillon”, um termo francês, que vem dos séculos passados e fazia menção às suntuosas comemorações da nobreza francesa, que rompia as madrugas!

Pelo dicionário, a palavra francesa “Réveiller” significa “acordar” e por isso, faz bastante sentido romper um novo ciclo de esperanças depois de uma grande festa!

Curiosas as tradições das festas da virada pelo mundo. Existem aqueles que creem que as cores podem representar e mais que isso, influenciar mudanças para o ano seguinte.

Às cores, damos atribuições importantes, sendo o amarelo propenso a nos conduzir ao dinheiro e a abundância, o verde nos proporcionando renovação, o vermelho garantindo um novo ciclo de paixões, ao branco cobramos tempos de paz, à cor rosa, deixamos por conta de nos trazer o amor e o romantismo para nossa caminhada e por fim, ao azul, atribuímos a tarefa de nos garantir tranquilidade nos próximos 12 meses que virão.

LEIA TAMBÉM: Ano novo, viagem nova! Mas com segurança

Além das cores e olhando de forma um pouco mais ampla, encontramos hábitos curiosos como o do povo cubano, que quando ressoam os fogos sinalizando os últimos momentos do ano velho, tratam de jogar um bom balde de água porta afora, simbolizando a retirada de todas as coisas negativas, as más energias que aquele período deixou e ao jogar tudo fora, abrimos espaço para a entrada de novas oportunidades, dias melhores e coisas boas em nossas vidas.

Os britânicos, costumam às vésperas da meia noite do último dia do ano, abrir a porta dos fundos de suas casas, mostrando o caminho que as coisas do ano velho devem seguir! São as tradições populares.

Em Buenos Aires

Ainda quero ter a experiência de vivenciar a noite de Ano Novo em outros países diferentes. Certa vez, tive esta experiência em Buenos Aires, aonde fui sem pesquisa prévia, esperando muitas comemorações festivas nas ruas e não fosse os ingressos garantidos em uma festa privada de um clube, passaria o réveillon em um quarto de hotel.

Por lá, segundo entendi, ao contrário do Brasil, os grandes festejos e os encontros mais alegres são feitos na noite de Natal. No Réveillon, os argentinos, ficam mais introspectivos e comemoram os novos tempos em fartas confraternizações familiares. Bonito também!

De qualquer forma, naquele ano, tive um Réveillon bem descolado em Buenos Aires e só voltei para casa com o dia primeiro de janeiro ensolarado e prometendo bastantes novidades!

Não nego, que de lá para cá, muita coisa mudou, para melhor e claro, para pior!

Quem dera bastasse saltar ondas, usando roupas íntimas amarelas, debaixo de roupas brancas e pronto, transformamos a nossa vida! Ai ai, ledo engano!

A verdadeira mudança

Realmente, as comemorações são cultural e socialmente importantes, mas as mudanças mais significativas, de fato, devem acontecer primeiro em nós mesmos. Longe de querer deixar aqui mensagens de autoajuda, mas o que é uma mudança de ano, se não miramos em novas motivações. Do que vale, jogar baldes de água lavando o passado, se não nos colocamos dispostos a primeiramente transformamos internamente nós mesmos?

Eu fico tentando aprender e praticar, a cada mudança de ano, jogar fora as insatisfações e buscar coragem para dar os meus primeiros passos visando alcançar todos os meus desejos de mudanças. Miro e vou atrás das minhas motivações.

Falar de mudança interna, mudança pessoal, significa falar de transformação pessoal, o que deve ocorrer dentro de nós e não é fácil rever nossos pensamentos, demonstrar na prática novos comportamentos, tomar atitudes com rumo a evoluções, crescimentos, abrir novas possibilidades.

Do que adianta guardar no pensamento os desejos de uma mudança pessoal, se não temos atitudes, posicionamentos?

Então, apesar das tradições das comemorações do Natal e do Ano Novo, que são muito legais e eu particularmente curto muito, se não embalarmos em um novo movimento, nossa vida permanece rotineira e desinteressante. Sugiro optarmos por movimentos, que nos tragam alegria, energias boas, bem-estar e qualidade de vida.

É, não tem mudança se não tiver esforço!

Eu sei é que chegamos em 2024 e já estamos construindo fatos, feitos e memórias, que serão legados futuros do Século XXI! Se pensarmos bem, é uma grande responsabilidade!

Por aqui, entrei animado, em me movimentar bastante para deixar um legado registrado em notícias e textos, que promovam reflexões sobre como andavam a produção cultural e quais eram os anseios e os rumos para a atividade turística em 2024.

Que venha o futuro!

Fico tão vidrado em cumprir minhas responsabilidades na construção de uma nova história para minha época, que curioso, recorri ao “Google” para saber quais foram os fatos mais destacados no Brasil em 1924, cem anos atrás.

LEIA TAMBÉM: Carnaval, tradição, valor e folia

Descobri, que o fato mais relevante, ocorreu em 05 de julho de 1924, quando se iniciou a chamada Revolta Paulista, tida como a segunda revolta do tenentismo! Em Seguida, no mesmo mês, no dia 12 de julho, era iniciado um levante militar no Mato Grosso. No dia seguinte, 13 de julho foi a vez de Aracaju ser palco de uma revolta armada e no dia 20 de julho, foram realizadas as eleições municipais!

Com tantas revoluções e revoltas armadas, podemos concluir, que faltaram lentilhas, romãs e ondinhas no Brasil no Réveillon de 1923, êta ferro!!!

É por isso, que fecho essa reflexão de hoje afirmando, quer mudanças na sua vida, olhe pra dentro de você mesmo, ache suas motivações e tome suas atitudes!

A todos nós, um feliz futuro!

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.