Conecte-se conosco

Turista Secreto

Será que o Rio de Janeiro continua lindo?

O Turista Secreto visita o Rio e dá o seu veredito sobre a cidade maravilhosa.

Publicado

em

Foto: Acervo Uai Turismo

Férias de julho, malas prontas, lá vou eu matar a saudade do querido Rio de Janeiro.  Convenhamos que poucas praias no Brasil são tão acessíveis aos mineiros como o Rio. Comparada a outros destinos do Nordeste por exemplo, o preço médio nos 13 voos diretos diários partindo de Confins, chega a ser a metade do valor ou até menos, se comprado com antecedência. A quem prefira a opção das 6 horas de ônibus. Porém, minha escolha desta vez foi pela terceira alternativa: dirigir 5 horas na precária BR040, com seus pedágios e inúmeros caminhões de minério.

Na extensa praia da Barra da Tijuca, nem sempre restaurantes e atrativos são próximos de onde você ficará hospedado. Ao contrário dos bairros de Copacabana, Ipanema, Leblon onde se é possível perambular a pé, de metrô, ou taxi. Estar de carro para quem se hospeda na Barra, se torna imprescindível e até mesmo uma forma de fazer um tour pela cidade e conhecer muitos lugares interessantes. Apesar de o sistema viário do Rio ser melhor que a média brasileira, com suas avenidas de fluxo rápido bem sinalizadas, viadutos e túneis, o trânsito nos horários de pico te faz realmente pensar que não deveria ter tirado o carro da garagem.

Hospedagem no Rio

Atraídos pelas belas praias, vida cultural e atrativos naturais, o Rio tem conseguido sobrepor aos índices de ocupação de 2019 em seus hotéis. 67% no primeiro semestre 2023. (Fonte: Hotéis Rio). Para se ter uma ideia, somente em janeiro de 2023 o Cristo Redentor recebeu 150.000 turistas (Fonte: Paineras Corcovado). Já o número de turistas estrangeiros tem aumentado consideravelmente, porém ainda representando 80% do mesmo período de 2019.

LEIA TAMBÉM: O Turista Secreto estreia em Nova York: passeios encantam mas metrô decepciona

O mineiro é o terceiro emissor nacional, atrás de paulistas e fluminenses. Como resultado, para atender a esta quantidade de turistas, a cidade precisa contar com a segunda maior rede hoteleira no Brasil. Perde apenas para São Paulo.

São 873 meios de hospedagens cadastrados nos principais canais de vendas on line, operadoras e agências de turismo, oferecendo localização e preços de diárias para todos os gostos e bolsos.

Mesmo com tantos hotéis, desta vez optei por viver uma experiência diferente. Confesso que sou fã das comodidades e serviços de um hotel, mas quis ver como seria alugar um apartamento no Rio de Janeiro. Depois de pesquisar, reservei um apartamento equipado, através de uma plataforma comunitária online de anúncios e reservas de meios de hospedagem. Talvez fosse mais fácil dizer “Airbnb”. Mas temos também a Vrbo e algumas agências de viagens on line que também disponibilizam o serviço. Ah! Porém, para não ter surpresas, é importante sempre estar atento às avaliações que hóspedes anteriores deixaram sobre a acomodação e o host.

Assim, localização, limpeza e comodidades, tudo perfeito nos detalhes. Minhas expectativas foram superadas e é importante ressaltar que o profissionalismo do proprietário em receber foi de deixar muito hoteleiro com inveja. Hospedagem garantida, hora de passear!

Atrativos e locomoção no Rio

A escolha do que fazer depende muito do número de dias reservados para a viagem. A cidade maravilhosa tem diversos atrativos, mas que envolvem deslocamento, tempo e dinheiro. O Cristo Redentor, Pão de Açúcar, Museu do Amanhã, AquaRio, Murais da Praça Mauá, Escadaria de Selarón, Parque Lage, Arcos da Lapa, Santa Teresa, Confeitaria Colombo, Jardim Botânico entre outros, são passeios imperdíveis mas que tomam uma boa parte do seu dia. Assim o melhor a fazer é se programar. Optar por uma agência credenciada de turismo receptivo pode ajudar na logística e segurança dos passeios.

LEIA TAMBÉM: Dia dos Pais: destinos incríveis para uma pessoa especial

Como qualquer atrativo das cidades mais turísticas do mundo, visitar o Cristo Redentor bem como o Pão de Açúcar em meses de férias requer muita paciência para filas. A diferença de julho para janeiro com certeza é a temperatura, bem mais amena para estas longas esperas.

Fonte: Acervo Uai Turismo

Consegui chegar ao Pão de Açúcar no primeiro horário, depois que desisti de enfrentar uma fila de mais de 400 pessoas no dia anterior. Além de optar por ir no inicio do dia seguinte, também deixei o carro no estacionamento do Shopping Rio Sul, seguindo de taxi (R$ 12,00) até a entrada do Parque Bondinho Pão de Açúcar. Outras opções são: pegar o metrô dependendo de onde estiver, desembarcando na estação Botafogo e seguir de ônibus (513) até a UNIRIO. Ou, assim como dito antes, se desejar mais conforto e pontualidade, contratar os serviços de uma agência de turismo receptivo credenciada. Esteja certo que conseguir uma vaga de estacionamento na região é praticamente impossível.

Valores justos?

O ingresso para subir no bondinho custa R$160,00 por adulto (US$ 33,00), sendo que crianças e adolescentes pagam meia entrada. Realmente é caro considerando um passeio em família. Porém já que estamos falando de um atrativo internacional, o preço está até abaixo da média cobrada. Por exemplo, para se ter acesso ao topo da Torre Eiffel (US$ 46,00) ou ao Summit One Vanderbuilt New York (US$ 42,00). Creio que a tarifa também seja uma maneira de limitar a 2500 pessoas que pagam pelo passeio diariamente, já que o espaço físico é limitado. Por falar em preço, tenha em mente que lá em cima você desembolsará em uma batata frita pequena R$ 57,00 e R$ 19,00 em um chopp gelado. 

Foto: Acervo Uai Turismo

LEIA TAMBÉM: Anos 2000: carnaval de adolescente

Dessa forma, sobem apertadas no bondinho 65 pessoas. Porém, ao chegar no morro da Urca você já esqueceu daquele tempo que ficou esperando e se preocupa apenas com a vista. Me dediquei também a prestar atenção na reação dos estrangeiros que estavam lá. Famílias de argentinos, peruanos, italianos e indianos, fazendo seus registros em fotos, maravilhados com a beleza natural do Rio de Janeiro. Impossível não ter orgulho de ser brasileiro nesta hora, mesmo sabendo que por trás daquele cartão postal, estão muitos problemas sociais insolúveis.

Gastronomia no Rio

Seguindo o dia, um dos melhores endereços da vida boêmia e da boa gastronomia do Rio é sem dúvidas a charmosa rua Dias Ferreira. Localizada no Leblon perto da Gávea, é quase uma obrigação comer o pastel de camarão do Belmonte ao voltar da praia.

Foto: Acervo Uai Turismo

Já para os apurados paladares tem o CT Boucherie do famoso e simpático Chef Claude Troigros, que serve pratos franceses misturados a sabores do Brasil. Existe também o Sushi Leblon, conhecido por ter atendido a cantora Madonna. Imperdível é o arroz de bacalhau do Nola Leblon bem como os pratos de frutos do mar do Boteco da Rainha.

Antes de ir embora, deixe um espaço para um café e sobremesa no Parisiense Café du Centre. E por fim os pães e bolos artesanais da Pain Perdu são ideais para levar para casa. Por serem endereços muito concorridos, o melhor a fazer é escolher horários intermediários ao almoço e jantar, para evitar ficar em filas.

Foto: Acervo Uai Turismo

Algo que me chamou a atenção foi a limpeza da zona sul da cidade de maneira geral. Jardins bem cuidados e pequenas obras sendo realizadas. Além disso, asfalto sem emendas na maioria das ruas e avenidas. Muito verde contrastando com o céu azul do mês de julho. O bom é que apesar da quantidade de turistas, as praias não estavam tão cheias mesmo no final de semana, provavelmente por conta dos 25 graus de temperatura. O que para o carioca é relativamente frio.

Foto: Acervo Uai Turismo

Atendimento

Por falar em carioca, fui muito bem atendido em todos os lugares que estive. Desde barracas de praia, restaurantes, padarias e shopping centers. A sensação é que muitas pessoas do Rio estão preocupadas com o atendimento ao turista. E é certo que esta é a base para o aumento do PIB turístico da cidade, e assim a geração de empregos formais e informais. Em 2022 houve um crescimento de 9% no PIB Turistico do Rio de Janeiro, ficando atrás apenas de Doha (Catar), Varsóvia (Polônia), Sanya (China) e Orlando (EUA). (Fonte: Conselho Mundial de Viagens e Turismo/Visa cartões de crédito).

LEIA TAMBÉM: Panamá: Exemplo de turismo regenerativo

Enfim, sem querer fazer vista grossa para todos os problemas que sabemos que a cidade tem como: pobreza, violência, áreas com epidemia de crack, poluição da baia da Guanabara e tantos outros. Talvez seja tempo de dar um voto de confiança a esta cidade que é sim maravilhosa e a colocarmos em nossa programação de férias.

Resumo do Turista Secreto no Rio de Janeiro

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.