Conecte-se conosco

Arte e Turismo

Raros Vasos de Flores de Portinari, para aquecer o inverno do Turista, no CCBB BH

Conheça diversas opções de conhecer as obras de Portinari em Belo Horizonte

Publicado

em

Imagem da praça da Liberdade em BH, com prédios do Iphan em verde, e CCBB BH em amarelo, ao fundo.
Circuito Liberdade oferece diversas opções nas férias, em especial "Raros Vasos", de Portinari. (Foto: Uai Turismo)

Para os turistas e amantes da arte que estão ou vêm a capital mineira, nessas férias, o Centro Cultural do Banco do Brasil – CCBB BH apresenta a exposição Portinari Raros. Em exibição até o dia 07 de agosto, ocupa todas as galerias do terceiro piso trazendo obras inusitadas. A exposição inclui quatro belíssimos vasos de flores ao lado de buquês de folhas secas e desidratadas, pintadas pelos pincéis da própria natureza, mas que irão aquecer o inverno do espectador ao aproximá-lo de algumas da obras mais delicadas do Artista.

Antes de tudo, Portinari foi um dos maiores gênios da pintura brasileira. Nascido em dezembro do início do século XX, em Brodowski, filho de imigrantes italianos, deixou um legado inigualável em nosso país. Como pintor e muralista, pintando a natureza do trabalho humano, o agricultor e o homem da cidade, as festas populares, as delicadezas e tropicalidade da flora e fauna brasileira, ele retratou o Brasil.

Visite as obras de Portinari em Belo Horizonte

Portinari Raros, traz maquetes de edificações que abrigam importantes painéis do artista incluindo a Igreja de São Francisco de Assis. A Igreja constitui o conjunto arquitetônico da Pampulha, concebido pelo arquiteto Oscar Niemeyer, entre 1942 e 1944, decretado Patrimônio Mundial da Humanidade, pela UNESCO. Sem dúvida merece a visita do turista e dos amantes da arte e arquitetura.

Sala de exposição Raros Vasos de Flores, de Portinari. CCBB-BH (Foto: José Theobaldo Jr.)

LEIA TAMBÉM: Importância do patrimônio histórico no legado de uma cidade

Em síntese, a Igreja de São Francisco é um dos cartões postais da capital mineira. Com suas linhas sinuosas assinadas pela alma da arquitetura moderna, pelo nanquim de Niemeyer, tem em suas paredes quatorze painéis. Estes painéis ilustram a via sacra e a generosidade de um São Francisco que já prenunciava a necessidade de sensibilizar a todos sobre a importância do cuidado ao meio ambiente bem como o amor aos animais e à própria natureza.

Ah… para os amantes da história, biografia e trabalho do artista, Guerra e Paz, da editora Dom Quixote, conta um pouco mais sobre Portinari. Através das palavras de João Cândido, mostra um pouco sobre a concepção do painel na ONU, em Nova Iorque.

Outras mostras para visitar

O CCBB BH, localizado na Praça da Liberdade faz parte do movimento cultural “Circuito Liberdade”. Cercado de edificações e elementos com estilo artísticos e arquitetônicos diversos, eclético, neoclássico, art nouveau e art déco vale a pena ser apreciado pelo visitante ou turista, na capital mineira. Todavia, além da exposição Portinari Raros, exibe também outras mostras que encantam seus visitantes.

LEIA TAMBÉM: De torresmo mineiro a cachaça alagoana: o Sambiquira em Curitiba prova que bar bom é boteco brasileiro

Do mesmo modo, para aproveitar a oportunidade, o turista ou visitante, pode ver a exposição do grande fotógrafo Walter Firmo. A obra “No verbo do silêncio a síntese do grito” permanecerá em cartaz até 18 de setembro deste ano. Com a curadoria de Sergio Burgi e Janaína Damasceno a exposição esteve também em cartaz em São Paulo, no Instituto Moreira Salles.

Contudo, o Walter é “Firme”, resoluto, sensível. Fotografou as nossas raízes, a alma do povo que fez e faz a história das tradições e cultura de nosso país. Assim como a afirmação da nossa ancestralidade africana. Por meio do seu olhar traz a beleza, simplicidade e singularidade das raízes e cultura do nosso povo. Bem como a força, resiliência e resistência de um povo que alicerçou as bases da cultura brasileira.

A musicalidade e intensidade está impregnada a partir do clique dos olhares fauvistas do fotógrafo. Nesse sentido, fotografou grandes personagens de nossa canção, desnudos e despretensiosos. Dessa maneira mostrou a sua presente condição social, sem pompa nem rompa. Mas, simplesmente, pessoas e que, por vezes, se tornaram ícones da cultura do nossos país. Dentre os seus registros estão, o grupo musical Doces Bárbaros (Gal Costa, Gilberto Gil, Maria Bethania e Caetano Veloso 1976), Milton Nascimento, Martinho da Vila, Chico Buarque e Djavan. Fotografou também a Marujada na Festa do Divino, no Serro – 1980, a vendedora de doces no Sergipe – 1982, o Bumba meu Boi em São Luis no Maranhão, nossas tradições, convite aos turistas a visitar as diversas manifestações tradicionais, na diversidade cultural de nosso país, através das festas populares.

LEIA TAMBÉM: Aeroporto de Confins: Aumento de fluxo de 16% superior ao ano passado

Portanto, as duas exposições convidam o turista e visitante aos múltiplos olhares. Ao final a visita ainda poderá ser regada de um bom vinho e um especial café, nos restaurantes no Café do Museu ou na Frau Bondan. E ainda, ouvindo as Bachianas Villa Lobos, revendo obras de Portinari, projetadas nas imensas paredes do edifício em estilo eclético.

LEIA TAMBÉM: O que fazer na última semana de férias de julho

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Portal UAI.